História e Museu - Optica Brasil
522
page,page-id-522,page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled, vertical_menu_transparency vertical_menu_transparency_on,side_area_uncovered_from_content,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.1,vc_responsive
 

História e Museu

Carlos Lopes Pereira iniciou a atividade da firma em Castelo Branco, vindo mais tarde a abrir outra loja em Lisboa. Atualmente na 3º geração, procuramos manter o mesmo rigor, num trabalho técnico sério e de qualidade.
Somos uma referência no ramo da óptica.


Longas questões que merecem extensas resposta

CARLOS LOPES PEREIRA – UM VISIONÁRIO

A história dos óculos perde-se na noite dos tempos e a sua paternidade é um mistério por desvendar. As referências mais antigas que conhecemos remontam à civilização romana, pois certos investigadores afirmam que Séneca, o filósofo, utilizava os conhecimentos das propriedades prismáticas do vidro facetado para aumentar o tamanho das letras e que Nero assistia aos jogos, nos circos, através de uma esmeralda.

Mas, deixemos a história para nos centrarmos na Óptica Brasil, uma loja que conhecemos há muitos anos e se situa no Largo do Rato, nº 12, em Lisboa.

O subtítulo deste texto alerta o leitor para os visionários e a nova visão, exatamente porque o fundador da Óptica Brasil, Carlos Lopes Pereira entrou na profissão de oculista em 1935 acompanhando o seu pai, tendo 20 anos depois fundado a sua primeira empresa em Castelo Branco.

Posteriormente, Carlos Lopes (filho) após terminar os seus estudos em Lisboa, inicia a carreira profissional de oculista, o que aliás viria a ser a sua paixão. Por volta de 1962, estabeleceu-se em Lisboa, no Largo do Rato no nº9 1º Dto. Em frente. do outro lado do largo, ficava o Palácio Marquês da Praia, hoje sede do Partido Socialista.Em 1976, apesar das perturbações governativas e dos sobressaltos em que o país vivia, Carlos Lopes Pereira, de seu nome completo Carlos Francisco Rodrigues Lopes Pereira, muda o seu negócio para uma loja com porta para a rua, com visibilidade muito superior e com uma decoração arrojada, instalando-se no nº 12 no Largo do Rato.A loja foi um sucesso. E continua a ser. Conversámos com ele, muitas vezes, por sermos clientes fiéis daquela casa que sempre teve um atendimento de exceção. Profundamente interessado pela profissão que abraçou, sempre estudioso, o Sr. Carlos Lopes Pereira foi fazendo várias formações em Portugal e no estrangeiro. Foi membro da Sociéte d’Optométrie d’Europe, em Bruxelas.

Defensor da classe foi, por dois mandatos, Presidente da Associação Nacional dos Ópticos.

UM VISIONÁRIO

No final dos anos 80, devido à entrada de Portugal na CEE, a sua visão de futuro, empurrou-o para mentor de um projeto que visava proteger os ópticos de menor dimensão, face à entrada de fortes grupos estrangeiros no nosso mercado, levando-o a fundar, com alguns colegas, o Grupo Conselheiros de Visão, que funciona como uma central de compras, que faz formação e que, entre outras ações, inclui aspetos de carácter social.

Temos, por tudo isto, o maior gosto em ter conhecido o Sr. Carlos Lopes Pereira, apaixonado colecionar de peças relacionadas com a sua profissão. Lembramos com saudade a sua alegria quando lhe oferecemos a revista Moda & Moda de Junho de 1988 que trazia em destaque um extenso artigo sobre óculos, binóculos, “lorgnons”, em diversos materiais (prata, ouro, marfim, metal esmaltado, tartaruga…) e caixas ou estojos de óculos em “galuchat”, metal e em cartão com gravações Arte Nova. Essa revista esteve durante muito tempo aberta na vitrina onde estava exposta a coleção.

As armações da Ótpica Brasil foram sempre de primeira categoria, a arte de colocar os óculos com a adaptação a cada feitio de rosto é um detalhe que faz a diferença, tomando esta casa numa loja que acompanha a evolução dos tempos e não desmerece em nada em relação Às melhores casas do país.

As marcas mais em destaque na óptica Brasil são, há muito tempo, a Cartier, Chanel, Persol e ultimamente a Gant, a Ralph Lauren e a Chloé. Mas quem gostar das ousadias de Alain Mikii também lá as encontra.

A VISÃO DE UM COLECIONADOR

Hoje, após a morte do Sr. Carlos Lopes Pereira são os seus dois filhos, Ana Paula Lopes Pereira e Carlos Alexandre Lopes Pereira, os continuadores da Óptica Brasil. Eles representam a 3ª geração e dá gosto ver como continuam na vanguarda, como dirigem o espaço, como nos atendem com todo o rigor nos seus gabinetes.

A casa mantém o pequeno museu que o Sr. Carlos Lopes Pereira foi construindo ao longo de uma vida que terminou em 1999, mas que deixou dois sucessores e uma manifestação de rara sensibilidade ao reunir as peças que foi recolhendo, agrupando por espécies, materiais, algumas adquiridas em diversas partes do mundo e outras gentilmente cedidas por clientes e amigos.

Estamos certos que este Homem estudou todas as conjeturas que se misturam com as lendas que cresceram nas ruínas dos tempos romanos, e que sabia que os óculos de aumento foram mencionados por Al-Hazen (996-1038), físico árabe, no terceiro capítulo do seu fabuloso Tratado de Óptica, onde explica como graças à parte esférica de um vidro, isto é, ao plano convexo de uma lente, se podiam ampliar as imagens.

Mas, ou porque ia muito ao estrangeiro ou porque amava a sua profissão, a verdade é que sabia de tudo, desde a qualidade das armações à modernidade das linhas.

Acreditamos que a Óptica Ideal de Castelo Branco, situada na Alameda da Liberdade, tem o espírito de modernidade e o gosto de acompanhar a evolução dos tempos que agora está muito bem entregue aos seus dois filhos.

O Sr. Carlos Lopes Pereira é o exemplo de um grande profissional e de um visionário que entendeu que os óculos ajudam a ver melhor os caminhos. Para além disso, também teve sempre em conta que o Sol é um inimigo dos olhos e que, principalmente, no Verão, além de importantes protagonistas do “look total” protegem os olhos da luz intensa e dos raios UVA-UVB que prejudicam.

Se ainda não é cliente da Óptica Brasil não espere muito mais tempo.